Assunto

 

As vezes fico um tempão sem escrever no blog. O motivo? Não tenho assunto! Todo mundo me fala “mas tem tantas coisas acontecendo no mundo! Como você não tem nada pra escrever?”.
Pode parecer bobo, mas não é fácil eu conseguir um texto que me agrade. Ainda mais sabendo que sou eu escrevendo e que você está lendo! Provavelmente deve estar achando chato inclusive, mas agora eu te pergunto: quantas vezes não fazemos algo que parece monótono e chato aos olhos de outros? Aposto  que te peguei!
Mas nesse texto, descobri que a falta de assunto é assunto. Se não fosse, com certeza eu ficaria ainda mais tempo sem escrever, e você ficaria com muita saudade (espero!) dos meus pensamentos altamente filosóficos…

Anúncios

Game? OVER!

 

Acabei de olhar o Facebook. 6 notificações. 5 de jogos. Eu tenho cara de cassino? Só pra constar, minhas aulas voltaram, não estou tendo tempo nem de olhar pro teto!

Jogo foi uma das invenções mais divertidas e mais viciantes do ser humano. Quem nunca deu uma parada no trabalho pra usar a vida que ganhou no Candy Crush? Ou então correu ao computador pra servir a comida do Café Mania?
Mas temos vicio diferentes! Eu achando que minha foto deu IBOPE, e quando vou ver é solicitação de jogos que nem sabia que existia!
Confesso que já fui da jogatina, mas não sou mais!
Se quer me mandar alguma coisa, me manda uma passagem só de ida pra Londres! Vou ficar tão feliz….
Gol da Alemanha nada! A cada um minuto uma porta pro vício!

 

A trilha sonora da semana está bem romântica…. Não estou apaixonada, mas parece que o mundo está!

1. Secrets- One Republic
2. Chained- Bianca
3. Unconditionally- Katy Perry
4. Wish You Were Here- Avril Laving
5. Stay- Rihanna
6. Wherever You Are- 5 Seconds Of Summer
7. Rainbow- Colbie Caillat
8. Love Story- Taylor Swift
9. I Don’t Wanna Miss A Thing- Aerosmith
10. A Song About Love- Jake Bugg

Ajude Uma Criança

 

Caros leitores. Esse texto é extremamente pessoal. Como eu me expresso muito bem pela escrita, decidi usar o blog a meu favor.
Sou apaixonada por cachorros. Acho uma das coisas mais fofas e encantadoras do mundo. Mas acontece que minha mãe não quer me dar um! Ela diz que vai dar muito trabalho, e que pra dar trabalho já basta eu. Vocês concordam com isso? Vocês acham que eu, criatura tão agradável, darei tanto trabalho com um cachorro ao lado?
Então gostaria de começar uma campanha. A campanha Duda Au Au. Todos que concordam com a idéia, por favor comentem esse texto, e usem a hashtag #dudaauau.
Conto com vocês!

Crise Existencial

      Esse termo é usado na maioria das vezes como algo bobo, apenas um capricho dos adolescentes. Nem imaginam vocês adultos, que estão muito provavelmente passando por uma agora, nesse minuto.
       Crise existencial não é apenas um “chilique”. Não é rebeldia, e muito menos algo bobo. É simplesmente (só que nem tão simples assim) um momento que você fica refletindo constantemente alguma coisa. Pode ser ela o seu trabalho, ou sua cutícula machucada. Tudo depende de como você olha a tal situação. E a melhor parte, é que ela sempre tem solução. Mas qual a graça de ser resolvida?
      Atualmente estou passando por uma. Mas não posso falar, porque como disse em cima, perderia a graça. Por isso estou fazendo esse texto. Para não me sentir tão besta por continuar nessa crise.
     Concorda?

Sem Hexa

 

Desde o começo da Copa, eu sabia que o Brasil perderia. Pra mim, durou até demais nossa trajetória no campeonato… Podem me xingar, mas não sou patriota.
A questão é que o torcedor é muito ingrato. Torce, grita, fala que não devemos misturar as coisas, que futebol não tem nada a ver com corrupção, e que ama o país. Mas quando perde… Fala que merece perder, que não quer ficar nesse país, e que tem vergonha. Quanta hipocrisia!
Será mesmo que estamos com moral para criticar agora? Será que é realmente o futebol que devemos nos preocupar? Acho que não.
Pra mim essa Copa já começou errada… Tanta coisa desfalcada no país, e o estádio de luxo. Tanta pobreza, e o dinheiro usado em construções sem utilidade, só pra chamar atenção. Queria saber se só eu penso isso.
Então, após esse massacre no futebol, vamos tentar salvar o resto, afinal é o que nos sobra.

Carta Para Anne Frank

 

Não, eu não falo com mortos, nem estou ficando doida. Mas acho que ela merece um espaço no meu blog… Então vamos lá.
Incrível como um livro mexe com a gente, não? As vezes ele pode ser mais emocionante que nossas próprias vidas. Acontece que na maioria das vezes você tem que acabar de ler pra perceber isso. Na minha atual situação, em 100 páginas já notei que quando ele acabar, entrarei de luto!
Queria agradecer muito a essa garota. Oh céus, se pudesse dizer a ela que não é a única incompreendida do mundo… Se pudesse ter dito a ela que todo seu sofrimento, seria notado, e que tudo aquilo acabaria… Mas não. Não disse nada disso, unicamente porque não deveria falar. Ela tinha que me fazer ficar estranhamente emocionada.
O mais incrível, é saber que uma garota da minha idade escreveu isso. Que ela sofreu. Não são palavras de escritores. São muito mais que isso! São sentimentos reais, escritos com palavras reais.

Menos Vó!!!!

 

Esse texto é um desabafo. Um desabafo desesperado de uma adolescente, mas com certeza você já sofreu com isso.
Desde que Eva comeu a maça proibida, as avós nós fazem pagar mico. Nós as amamos muito, mas é impossível não ter um momento que queremos que elas guardem a língua bem guardada! Só que de tempos em tempos, o mico muda.
Atualmente, a maneira mais fácil de corar nossas bochechas é pela internet. Passamos horas com o celular tentando tirar uma foto decente pro boy-magia ver, e elas comentam: “linda, vai arrasar corações. Beijos”. Pode isso produção????? E ai de nós se reclamarmos… Minha avó é a rainha disso. Se eu postar: “estou no banheiro”, ela comenta: “ótimo, boa sorte. Beijos”.E você, também sofre com sua família na internet?

Crescer

    Há muito tempo atrás, vi uma reportagem dizendo que apenas 9% das pessoas seguiram a profissão que queriam quando criança. Ou seja, apenas 9% das pessoas seguiram seus sonhos. Por que isso acontece? Será que é tão impossível assim fazer o que se quer?
     Eu acredito que não. Eu acredito que quando crescemos pensamos só em como ganhar dinheiro e fazer sucesso instantaneamente, o que é impossível em qualquer profissão.
   Também acredito que quem quer uma coisa, não acha fronteira que o pare. Será que realmente tentamos o máximo aquilo que desejamos? É bem provável que você ache que estou querendo fazer um texto de auto-ajuda, mas não é esse meu objetivo. O que quero aqui, é com minha sabedoria milenar, dar uma chance a quem quer que você seja. Se quer ser faxineiro de Marte, caso tenha vontade de verdade, conseguirá.
    Não pense muito nas consequências. Pode parecer estranho o que acabei de dizer, mas e se as que imaginamos estiverem erradas? Prefiro errar do que não viver o que poderia ter vivido…

Cadeirante

 

Eis um assunto que eu entendo bem! Mas será que o resto das pessoas entendem tão bem assim? Sei a resposta. E ela é: não. Nesse texto, explicarei porque.
85,9% das pessoas que falam comigo sem me conhecer, acham que eu tenho alguma deficiência mental. Mas no caso, estou generalizando. Não é só comigo, é com qualquer cadeirante! Estamos no shopping por exemplo, aí chega uma pessoa, com cara de pangua, e diz: “oi linda! Qual é seu nome?” Ah, não posso deixar de mencionar a voz extremamente fina! Eu particularmente respondo o oposto. Falo “Maria Eduarda” com a voz grossa e cara emburrada. Aí começa: “quantos aninhos você tem?” E eu: “13″ e pra completar: “UAU! Você é muito grande!” Pergunta se eu estudo. Falo que sim. A pessoa diz que é muito legal, é quer saber em qual série estou. Eu digo que estou na 7•. A resposta é: “mas você está muito adiantada!”. Fim de diálogo, o ser volta pro seu lugar e fica acenando.
Se você que está lendo faz isso, por favor não pense que estou com raiva sua. Pelo contrário! Acho engraçado uma pessoa ter um pensamento tão ultrapassado quanto esse. Nos últimos tempos, até quem realmente tem algum problema mental, é bem antenado e esperto!
Estou numa cadeira de rodas, não em uma masmorra. Ela não atrofia meu cérebro, não segura minha língua nem me impede de fazer nada que eu queira. Estou errada de querer um pouco mais de “tratamento igual ao dos outros”? Acho que não… Nunca tenha dó de nós, pois podemos ser muito mais que se imagina.